Jump to Navigation

Inovação / Conceito

 

Evolução dos conceitos de inovação

O conceito de inovação é conhecido desde Adam Smith no século XVIII,que estudava a relação entre acumulação de capital e a tecnologia de manufatura, estudando conceitos relacionados à mudança tecnológica, divisão do trabalho e competição.

Somente a partir do trabalho de Joseph Schumpeter estabeleceu-se uma relação entre inovação e desenvolvimento econômico (Teoria do Desenvolvimento Econômico, 1934).

Ele é mais famoso por sua teoria da "destruição criativa" - que sustenta que o sistema capitalista progride por revolucionar constantemente sua estrutura econômica: novas firmas, novas tecnologias e novos produtos substituem constantemente os antigos. De forma simplificada, o termo inovação “schumpeteriana” é utilizado para definir inovações que destróem, o modo como se fazia determinada atividade.

A partir destas primeiras idéias, a inovação consistia na introdução de um novo bem ou de uma nova qualidade de um bem ou ainda na introdução de um novo método de produção definindo com isso a abertura de um novo mercado. A inovação, assim conceituada, podia também ser obtida pela conquista de uma nova fonte de suprimento de matéria-prima ou o aparecimento de uma nova estrutura de organização de um setor.

Conceituação da  Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE

O Manual de Oslo, desenvolvido conjuntamente pelo Eurostat e pela OCDE – Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, constitui parte de uma família de manuais dedicada à mensuração e interpretação de dados relacionados a ciência, tecnologia e inovação.

Esse material compreende manuais, diretrizes e guias sobre P& D (Manual Frascati), indicadores de globalização, patentes, a sociedade da informação, recursos humanos em C&T (Manual Canberra) e estatísticas de biotecnologia.

Preparada com o patrocínio da OCDE e da Comissão Européia (Eurostat), a terceira edição do Manual de Oslo é o resultado de um processo colaborativo de três anos, que envolveu o Grupo de Trabalho de Especialistas Nacionais da OCDE em Indicadores de Ciência e Tecnologia (OECD Working Party of National Experts on Science and Technology Indicators – NESTI) e o Grupo de Trabalho do Eurostat em Estatísticas de Ciência e Tecnologia (Eurostat Working Party on Science, Technology and Innovation Statistics – WPSTI), assim como vários outros especialistas externos.

O escopo do Manual está fundamentado em:

Tratamento da inovação apenas em empresas com atividades de negócios (comerciais).

Inovação no âmbito da empresa.

Quatro tipos de inovações: de produto, de processo, organizacional e de marketing.

Aborda a difusão até o ponto de "nova para a firma“.

Uma empresa pode realizar vários tipos de mudanças em seus métodos de trabalho, seu uso de fatores de produção e os tipos de resultados que aumentam sua produtividade e/ou seu desempenho comercial.

O Manual define quatro tipos de inovações que encerram um amplo conjunto de mudanças nas atividades das empresas:

  1. inovações de produto,
  2. inovações de processo,
  3. inovações organizacionais e
  4. inovações de marketing.

 

As inovações de produto envolvem mudanças significativas nas potencialidades de produtos e serviços.

Incluem-se bens e serviços totalmente novos e aperfeiçoamentos importantes para produtos existentes.

 As inovações de processorepresentam mudanças significativas nos métodos de produção e de distribuição.

As inovações organizacionais referem-se à implementação de novos métodos organizacionais, tais como: mudanças em práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas da empresa.

As inovações de marketingenvolvem a implementação de novos métodos de marketing, incluindo mudanças no “design” do produto e na embalagem, na promoção do produto e sua colocação, e em métodos de estabelecimento de preços de bens e de serviços.

A palavra design, na língua inglesa, pode ter diferentes interpretações, além da mais conhecida pelos brasileiros ligada a estilo, moda, layout do produto.

 As demais acepções dessa palavra aparecem neste Manual e são traduzidas pelos seus sentidos. Empregam-se assim, além da palavra "design", as palavras "concepção", "desenho", "delineamento" e "formulação".

Na linguagem técnica de construção civil, utiliza-se a palavra design da língua inglesa para nos referirmos ao projeto do empreendimento, incluindo aí os projetos de arquitetura, e os projetos completos de engenharia. Usa-se a palavra “project” para se referir  ao “empreendimento”.

Abrangência da definição de inovação tecnológica

Uma importante preocupação quando se expande a definição de inovação, diz respeito à decisão de incluir os setor de serviços, o que requer algumas pequenas modificações nas definições de inovações de produto e processo para refletir as atividades de inovação no setor de serviços de forma mais adequada e para reduzir a orientação industrial.

Uma mudança na conceituação mais recente é a remoção da palavra "tecnológica" das definições, visto que a palavra evoca a possibilidade de que muitas empresas do setor de serviços interpretem "tecnológica" como "usuária de plantas e equipamentos de alta tecnologia", e assim não seja aplicável a muitas de suas inovações de produtos e processos.

Processos de inovação diferem muito de setor para setor em termos de desenvolvimento, taxa de mudança tecnológica, interações e acesso ao conhecimento, assim como em termos de estruturas organizacionais e fatores institucionais.

Alguns setores são caracterizados por rápidas mudanças e inovações radicais, outros por mudanças menores e incrementais.

A inovação nas indústrias de baixa e média tecnologia (BMTs) recebe freqüentemente menos atenção do que a inovação em indústrias de alta tecnologia.

Entretanto, a inovação em BMTs pode ter um impacto substancial no crescimento econômico, devido ao peso desses setores na economia.

BMTs são geralmente caracterizadas pela inovação incremental.

Dessa forma, as atividades de inovação são geralmente centradas na eficiência da produção, na diferenciação de produto e no “marketing”.

Um importante aspecto da inovação nessas indústrias é o fato de ela ser mais complexa do que a simples adoção de novas tecnologias.

Em muitos casos, as atividades de inovação em BMTs envolvem a incorporação de produtos e conhecimentos de alta tecnologia.

Exemplos proeminentes são o uso de Tecnologia da Informação e Comunicação e de biotecnologia (por exemplo, no processamento de alimentos), no desenvolvimento de novos produtos e processos de produção.

O uso e a aplicabilidade de tecnologias avançadas pelas BMTs podem estabelecer novas demandas para as capacitações de sua força de trabalho e podem afetar sua estrutura organizacional e suas interações com outras empresas e instituições públicas de pesquisa.

As pequenas e médias empresas (PMEs) possuem necessidades mais especializadas em suas atividades.

Isso aumenta a importância de uma interação eficiente com outras empresas e com instituições públicas de pesquisa para Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) , troca de conhecimentos e, potencialmente, para comercialização e atividades de marketing.

O financiamento pode ser um fator determinante para a inovação em PMEs, que não raro carecem de fundos próprios para conduzir projetos de inovação e enfrentam muito mais dificuldades para obter financiamento externo do que as empresas maiores.

A noção de que fatores regionais podem influenciar a capacidade inovadora das empresas levou a um interesse crescente na análise da inovação no âmbito regional.

Diferenças regionais nos níveis de atividade de inovação podem ser substanciais, e identificar as principais características e fatores que promovem a atividade de inovação e o desenvolvimento de setores específicos no âmbito regional pode auxiliar o entendimento dos processos de inovação e ser válido para a elaboração de políticas.

Globalização e inovação

Os sistemas nacionais de inovação fundamentam-se na idéia de que muitos dos fatores que influenciam as atividades de inovação são nacionais, tais como fatores institucionais, cultura e valores.

Ao mesmo tempo, é também claro que os processos de inovação são, em muitos sentidos, internacionais. Tecnologias e conhecimentos circulam entre fronteiras. Empresas interagem com empresas estrangeiras e universidades. Muitos mercados, em termos de empresas e seus competidores, são globais. Empresas multinacionais são agentes centrais no processo de globalização. Suas atividades transcendem as fronteiras nacionais, à medida, que envolvem transferências internacionais de capital, conhecimento e tecnologia.

O processo de globalização é também uma força poderosa para a inovação.

A competição internacional força as empresas a aumentar sua eficiência e desenvolver novos produtos.

Inovação na prática

O requisito mínimo para se definir uma inovação é que o produto, processo, método de marketing ou organizacional sejam novos (ou significativamente melhorados) para a empresa. Isso inclui produtos, processos e métodos em que as empresas são as pioneiras a desenvolver e aqueles que foram adotados de outras empresas ou organizações.

As atividades de inovação são etapas científicas, tecnológicas, organizacionais, financeiras e comerciais que conduzem, ou visam conduzir, à implementação de inovações.

Algumas atividades de inovação são em si inovadoras, outras não são atividades novas, mas são necessárias para a implementação de inovações.

As atividades de inovação também inserem a pesquisa e desenvolvimento (P&D) que não está diretamente relacionada ao desenvolvimento de uma inovação específica.

Um aspecto geral de uma inovação é que ela deve ter sido implementada. Um produto novo ou melhorado é implementado quando introduzido no mercado.

Novos processos, métodos de marketing e métodos organizacionais são implementados quando eles são efetivamente utilizados nas operações das empresas.

A natureza das atividades de inovação varia muito de empresa para empresa. Algumas empresas inserem-se em projetos de inovação bem definidos, como o desenvolvimento e a introdução de um novo produto, enquanto outras realizam primordialmente melhoramentos contínuos em seus produtos, processos e operações.

Empresas de ambos os tipos podem ser inovadoras. Uma inovação pode consistir na implementação de uma única mudança significativa, ou em uma série de pequenas mudanças incrementais que podem, juntas, constituir uma mudança significativa.

Por definição, todas as inovações devem conter algum grau de novidade.Três conceitos para a novidade das inovações são discutidos abaixo:

  1. nova para a empresa,
  2. nova para o mercado, e
  3. nova para o mundo.

Um método de produção, processamento e marketing ou um método organizacional pode já ter sido implementado por outras empresas, mas se ele é novo para a empresa (ou se é o caso de produtos e processos significativamente melhorados), então trata-se de uma inovação para essa empresa.

As inovações são novas para o mercado quando a empresa é a primeira a introduzir a inovação em seu mercado. O mercado é definido como a empresa e seus concorrentes e ele pode incluir uma região geográfica ou uma linha de produto. O escopo geográfico para o que é novo para o mercado está sujeito então à própria visão da empresa sobre seu mercado de operação e pode incluir empresas domésticas ou internacionais.

A condição de inovadora de uma empresa pode ser definida de várias formas.

A definição básica de uma empresa inovadora é a empresa que implementou ao menos uma inovação.

Uma empresa inovadora de produto ou de processo é definida como uma empresa que implementou uma inovação de produto ou de processo.

A classificação por condição inovadora pode também incluir outras informações, como, por exemplo, sobre a entidade que desenvolve a inovação, que podem ser usadas para identificar empresas que apenas adotam inovações de produto e de processo desenvolvidas por outras empresas.

A inovação pressupõe uma certa dose de incerteza, uma vez que os resultados do esforço inovador dificilmente podem ser conhecidos de antemão.

Uma significativa gama de inovações tem se originado por meio de “learning by doing” ou “learning by using”.

Pessoas e organizações, principalmente empresas, podem aprender como usar, melhorar ou produzir coisas por meio de atividades informais como reuniões com clientes, solução de problemas práticos, redução de gargalos de produção, etc.

Classificação das inovações na construção civil

Seguindo a classificação do Manual de Oslo, as inovações na construção civil podem ser caracterizadas como:

 

  1. Inovações de produto– inovações no produto edifício ou em um ou mais de seus subsistemas, componentes ou materiais;
  2. Inovações de processo– inovações no processo de produção dos edifícios, que podem ser obtidas a partir de inovações em produtos intermediários como tipos de subsistemas, componentes ou materiais que têm impacto no processo;
  3. Inovações organizacionais– as que afetam a organização das empresas do setor e seus processos não diretamente relacionados à produção como implementação de softwares, criação de novos métodos para processos como planejamento, orçamento, projeto, etc.
  4. Inovações de marketing– as que se referem a novas formas de relacionamento com os clientes, promoção dos produtos, comunicação com o mercado.

 

Nas inovações da construção civil é possível distinguir:

 

  • As que agregam características de desempenho aos edifícios – são inovações que não necessariamente agregam mudanças no processo produtivo, mas trazem novas características que melhoram o comportamento em uso da edificação para o usuário sob a ótica de requisitos de desempenho (térmico, acústico, estrutural, impacto ambiental, etc). Estas podem ser inovações em materiais, componentes ou sistemas construtivos ou ainda inovações de projeto. Muitas inovações desta natureza exigem uma combinação de inovações de produto e de projeto.
  • As que afetam o processo produtivo: são decorrentes de materiais, componentes ou subsistemas construtivos inovadores que revolucionam ou produzem mudanças incrementais no processo de produção, implicando aumento de produtividade, qualidade, segurança no trabalho ou mais de um destes fatores.  Podem ser também inovações na forma de fornecimento de materiais, componentes e serviços ou ainda de introdução de equipamentos e ferramentas.
  • As que afetam os processos internos das empresas ligados não só ao produto, mas processos administrativos, de atendimento ao cliente, etc – em geral são provenientes da implantação de softwares, de arranjos de trabalho com fornecedores envolvendo novas forma de prestação de serviços.
  • As que afetam  a promoção do produto e sua colocação no mercado: inovações de marketing que envolvem uso de sistemas via web para visualização dos produtos, personalização de apartamentos, softwares para visualização de especificações, projetos, etc via web.

Adam Smith foi um economista e pensador escocês nascido ao fim do século XVIII. É o pai da economia moderna, e é considerado o mais importante teórico do liberalismo econômico. Autor de “ Uma investigação sobre a natureza e a causa da riqueza das nações", a sua obra mais conhecida, e que continua sendo uma referência para gerações de economistas, na qual procurou demonstrar que a riqueza das nações resultava da atuação de indivíduos que, movidos apenas pelo seu próprio interesse (self-interest), promoviam o crescimento econômico e a inovação tecnológica.